Search
segunda-feira 18 dezembro 2017
  • :
  • :

Análise de Tempos – Ironman Fortaleza 2016  

 O Ironman mais próximo de Kona

Este domingo dia 20 de novembro ocorreu a terceira edição do Ironman Fortaleza, considerado por muitos uma versão brasileira de Kona. Esta prova se mostra bem temida e ao mesmo tempo muito respeitada pelos triatletas.
Mas o que faz desta prova tão difícil? A prova apresenta dificuldades especificas nas três modalidades, sendo:
  1. Águas agitadas na natação e por conta da temperatura do mar, não é permitido wetsuit
  2. Um pedal plano, porém com ventos que passam facilmente dos 30km/h (apenas como comparação o vento no Riacho Grande não passa de 15km/h), fazendo com que os atletas peguem vento contra em praticamente metade de todo o pedal.
  3. A temperatura aumenta logo no fim do pedal e ficam altíssimas durante a maratona
Ou seja, uma prova para “cabra macho” mesmo! E os números desta análise realmente provam que não é qualquer um que sai como finisher deste grande desafio.
DNS: Não largaram
DQF: Desclassificados
DNF: Não Terminaram
Em comparação com outras provas, a quantidade de inscritos já é baixa, apenas 632. Porém o que chama a atenção é que 13% dos que largaram não conseguiu completar a prova!
Se nas provas normalmente a quantidade de homens é bem superior, nesta então foram apenas 53 guerreiras que conseguiram completar o desafio. Um parabéns a essa mulherada que mostrou ser muito forte.

Quando analisamos as idades, podemos perceber também uma grande concentração de atletas na categoria 35-39 anos tanto para homens, quanto para mulheres.

Alguns amadores realmente tiverem desempenho excepcional e concluíram a prova com tempos semelhantes aos melhores amadores em Florianópolis, na média os finishers nadaram com ritmo 02:08 min/100m, pedalaram com média 29,1 km/h e correram a maratona a pace 06:46 min/km.

Entre os homens, houve um número bem próximo de finishers nas faixas de tempo entre 10h30 e 13h30. O ritmo médio na natação foi 02:07 min/100m, a média do pedal foi 29,3 km/h e na corrida o pace médio foi 06:45 min/km.

Analisando as mulheres no geral, há uma concentração grande de tempos entre 11h00 e 13h00! Na média feminina, a natação foi com ritmo 02:21 min/100m, a média do pedal foi 27,3 km/h e na corrida o pace médio foi 06:55 min/km. A grande diferença entra o feminino e o masculino está realmente no pedal.

Acima segue uma análise dos tempos por categoria, que como comentado foi principalmente nos homens bem distribuído entre as 10h00 e 13h00.

Realmente achamos que estes tempos foram muito bons devido as condições da prova. Certamente muitos destes finishers não estão estreando (como ocorre em Florianópolis), já tem alguma bagagem, e buscam por valiosas vagas em Kona, o que justifica o bom nível técnico da prova.

Os vencedores das categorias mais concorridas no masculino completaram a prova entre 9h12 e 9h40 e no feminino entre 10h45 e 11h22. Um parabéns aos vencedores, e em especial para o José Belarmino que foi o vencedor da prova!

Nas categorias, a faixa etária masculina com melhor média foi a 35-39, fechando com 11h57 e no feminino a categoria 25-29 com 12h30. São tempos relativamente próximos, provando mais uma vez que a mulherada que encarou a prova era “casca grossa”mesmo.

As melhores parciais principalmente do masculino são impressionantes, e mostram que alguns de nossos amadores tem desempenho profissional. Dentre as mulheres a melhor corrida foi muito melhor do que a maioria dos homens e chama bastante atenção.
Vale lembrar que em uma prova como esta é importante ser muito regular nas três modalidades, pois os vencedores da prova masculina e feminina não são donos de nenhum destes tempos acima.

Dentre os homens, as melhores parciais de natação foram abaixo de 1:30min/100m, no pedal as médias foram acima de 35,5km/h e as corridas entre 4:30 e 5:00min/km.

Para as mulheres, as melhores parciais de natação foram entre 1:40 e 2:00min/100m, no pedal as médias foram entre 31,5 e 32,2km/h e as corridas entre 5:05 e 5:25min/km (desconsiderando a melhor corrida feminina que foi muito mais forte que a média).

Agora em relação as médias das parciais por categoria os números são bem menos agressivos do que os líderes, mas representam ainda sim que os finishers tinham um nível técnico muito bom.

A categoria com melhor ritmo de natação do masculino foi a 18-24, mas não destoou muito das demais que tiveram ritmos aproximadamente 10 segundos mais lentos a cada 100m. No pedal a única categoria que teve média acima de 30kmh foi a 35-39! Na corrida os paces foram entre 6:30 e 6:45min/km.

Para as mulheres, as parciais de natação foram entre 2:06 e 2:18min/100m sendo a 18-24 a dona da melhor parcial. No pedal, as médias das categorias mais concorridas foram praticamente todas na casa de 27,5km/h. Na corrida, a categoria feminina com melhor média foi melhor que a masculina, as meninas de 25-29 fizeram 6:17. As demais categorias femininas correram com pace entre 6:38 e 7:05min/km.

Essa foi uma prova também de transições um pouco mais lentas para o pessoal tomar um fôlego e continuar na briga. Sempre gosto de enfatizar que as transições tem que ser feitas com calma e atenção sem ficar perdendo tempo, pois 1 minuto a mais perdido pode se o que falta no final da prova.
Fiquem de olho pois faremos muitas outras análises e reviews de provas, além de posts sobre o mundo do triathlon.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *