Search
segunda-feira 18 dezembro 2017
  • :
  • :

Análise dos Tempos 70.3 Pucón 2017

 O que faz de Pucón uma prova tão especial ?

Há alguns motivos que fazem uma prova se tornar tão desejada e querida pelos atletas, algumas delas vão além da competição em si. Uma delas é o envolvimento da região com a prova, fazendo com que tudo gire em torno do Ironman 70.3 Pucón. A organização conta com o apoio militar chileno onde tudo é muito controlado, evitando que os atletas tenham distrações.

Dessa forma, toda a beleza da região salta aos olhos dos atletas e os permite perceber todo o charme da disputa ao redor de campos de flores, árvores, montanhas e o imponente vulcão Villarrica.

A  fama desta etapa surgiu em 1992 quando o Mark Allen aceitou um convite de um amigo para visitar o Chile e conhecer a prova (na época em ainda nem existia a marca Ironman 70.3), depois da competição ele teria afirmado que aquela era a prova mais bonita que ele já tinha visto, a prova mais bonita do mundo. O slogan pegou.

Porém tanta beleza, também é palco de um percurso realmente desafiador, tanto na bike quanto na corrida. Veja abaixo como foram os tempos dos atletas que participaram da etapa de 2017:

 

É possível perceber a importância da prova pela quantidade de inscritos, que é alto para uma prova da América Latina. A proporção de Finishers/Inscritos está dentro dos padrões.

 

 

A maior quantidade de finishers são os próprios chilenos! Os argentinos também participam em grande número.

 

 

Assim como nas demais provas na América Latina, a quantidade de finishers homens é muito superior ao de mulheres. Porém, aos poucos mostra um aumento da participação feminina nas provas de Triathlon.

 

No caso das mulheres, o age group com a maior concentração de finishers é a F3034, e possui um equilíbrio entre as demais categorias entre 25 e 50 anos. Os homens possuem um equilíbrio entre todas categorias entre 30 e 50 anos.

 

Na média, os finishers concluíram a prova em 06:04:50. Tempo relativamente alto se comparado com o 70.3 Rio de Janeiro por exemplo, onde o tempo foi aproximadamente 00:15:00 mais rápido.

O parcial da natação médio foi 00:42:53 (02:15 min/100m), o ciclismo 03:02:11 (29,7kmh) e a corrida 02:11:14 (06:15 min/km).

 

 

 

O tempo médio de prova masculina foi de 06:00:18 e a feminina de 06:29:22. A principal diferença de tempo entre homens e mulheres está no ciclismo (aproximadamente 20 minutos) e na sequência a corrida (aproximadamente 10 minutos).

Na prova feminina, os tempos totais foram mais equilibrados em relação aos age groups. Na prova masculina é possível verificar que o tempo total varia mais expressivamente de acordo com os age groups mais experientes.

 

O vencedor Amador masculino é da categoria M3539, e concluiu a prova em 04:25:24. Na categoria feminina houve duas participantes de age groups diferentes que terminaram a prova em 05:05:06.

A categoria masculina com média de tempo total mais rápida é a M2529 (05:44:09), a feminina é a F3034 (06:26:02).

As parciais mais rápidas dos homens foram de 01:27min/100m na natação, 39,1kmh no ciclismo e 03:35min/km na corrida.

As parciais mais rápidas femininas foram de 01:33min/100m na natação, 34,8kmh no ciclismo e 04:13min/km na corrida.

Estes tempos de ciclismo e corrida são bastante fortes para os padrões de provas na América Latina, principalmente pela dificuldade da corrida. Veja abaixo as altimetrias.

Bike – 460m Elevation Gain

 

Run – 340m Elevation Gain

 

 

Na prova masculina, os age groups com natação mais rápida foram o M1824 e M3034. A categoria M4044 ficou com as parciais expressivamente mais rápidas de ciclismo e corrida

No feminino, a melhor natação foi na categoria F2529 com uma grande diferença para as demais categorias. O ciclismo mais rápido pertence a categoria F3034, também bem mais rápida que as demais. A corrida mais rápida pertence a categoria F4549

Os age groups masculinos mais concorridos tiveram uma natação com pace na casa de 02:14 min/100m, ciclismo com velocidade média entre 30 e 31kmh e uma corrida com pace 06:00 min/km.

No caso feminino, os age groups tiveram pace na natação próximo de 02:20 min/100m, o ciclismo teve velocidade média entre 27 e 28kmh e uma corrida com pace 06:35 min/km.

 

 

As transições dos amadores tiveram tempo somado T1 e T2 médio de 8 minutos.

Esta sem dúvida não é uma competição para quebra de recordes, mas deve fazer parte da “To do list” de qualquer atleta. O único inconveniente é treinar durante as festas de fim de ano, tendo que prorrogar seu off season um pouco mais.

 

Esperamos que tenham gostado da análise e caso queiram mais algum detalhe, basta pedir nos comentários.

Sigam a página do EspaçoTri no Facebook para mais análises de reviews de provas.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *