Search
segunda-feira 18 dezembro 2017
  • :
  • :

Análise de Tempos – Ironman Florianópolis 2017

O Ironman Florianopolis é o campeonato Sul-Americano que acontece no Brasil e distribui 75 vagas para o mundial em Kona, por conta disso a prova atrai um grande número de atletas profissionais e amadores, fazendo com que o número de inscritos seja o maior das provas da América do Sul, apenas como comparação o IM Florianópolis tem o dobro de atletas inscritos do que o IM 70.3 Rio de Janeiro.

 

A proporção de finishers em relação ao número de inscritos é na casa de 85%, e mostra que a prova possui um nível de dificuldade mais tranquilo do que algumas provas do circuito, os outros 15% são na maioria atletas que não largaram. Também comparando com outra prova nacional, o Ironman Fortaleza (que já não existe mais) teve em sua última etapa em 20016 apenas 80% de Finishers e um número alto de desistências.

 

A quantidade de mulheres na prova é similar à da maioria das provas Sul-Americanas. Em provas na Europa e nos Estados Unidos a quantidade de mulheres costuma ser superior a 15%.

 

 

 

Como é de se esperar, as categorias 35/39 e 40/44 são de longe as mais volumosas no masculino – já que a idade em que comumente atletas que já praticam alguma das modalidades migram para o triathlon em busca de mais desafios. Também citamos a estabilidade financeira e de carreira nessa idade, “facilitando” a dedicação ao esporte. Já no feminino, exite uma estabilidade na quantidade de inscritas entre 30 e 44 anos. Sinalizando mais uma vez que durante esses anos já conhecemos melhor nosso corpo e estamos mais preparados para os esportes de longa duração.

 

Florianópolis é conhecida com o Ilha da Magia, e acredito que muito dessa magia tenha refletido na performance dos atletas esse ano, pois os tempos foram realmente muito rápidos. Não só em relação à quebra do recorde do atleta Tim Don, mas nas redes sociais é possível ver que a grande maioria dos atletas bateram seus tempos passados e os novatos fizeram tempos muito bons para uma estreia.

A chuva deixou o mar em uma condição que auxiliou os nadadores a baixarem seus tempos, e fez com que os atletas realizassem o percurso de 3800m (ou até um pouco menos) com um tempo médio de 1h10. Esse tempo médio em outros IM Florianópolis já foi mais alto – na casa de 1h18.

Sobre o pedal acabaremos dando nossa opinião pessoal pois como de praxe é aquela situação que todos que praticam e zelam pela ética esportiva já conhecemos, e prejudica a todos atletas honestos que entram na prova pra por a cara no vento. Não é raro ver atletas amigos fazendo bike splits idênticos, aquela pegação de roda que faz uma grande parte dos atletas pedalar igual ou mais forte os 180km do que pedalam em 70.3.

De qualquer forma o pedal apesar de um pouco chuvoso estava com pouco vento e temperatura amena, que permitiu que a média de velocidade fosse superior a 30km/h.

A corrida foi menos influenciada, mas certamente o psicológico de uma quebra de tempo influenciou os atletas. No geral o tempo total entre homens e mulheres foi de 11h40min.

Há também um destaque para o grande número de amadores (ou quase semi-pros) com tempos Sub 9h no masculino e 9h30 no feminino.

O tempo médio entre os homens foi de 11h34 e o das mulheres de 12h22. Mostrando que Floripa está na lista de um dos trajetos mais rápidos do circuito Ironman.

As parciais médias entre os sexos foram muito similares na natação, porém o ciclismo dos homens foi em média 25 minutos mais rápido e a corrida apenas 17 min mais rápida, mostrando que mulher não é o sexo frágil e as atletas estão deixando as diferenças fisiológicas cada vez mais estreitas com um bom treinamento e dedicação!

Desta forma é possível verificar a distribuição de faixas de tempo entre as categorias. De fato praticamente todas categorias tiveram uma grande quantidade de atletas com tempos rápidos.

O primeiro colocado amador fez o incrível tempo de 8h34, como comparação a campeã profissional completou a prova em 9h26.

A faixa etária masculina com tempo médio mais rápido foi a M25/29 com 11:02:56 e no feminino F18/24 teve tempo médio de 11:29:51 mostrando que a galera mais jovem está realmente vindo com tudo apesar do que dissemos acima sobre o corpo estar mais preparado para aguentar a porrada com uma certa idade – toda regra tem uma exceção e com treinamento adequado idade não é um problema!

As melhores parciais dos amadores nas modalidades individualmente são dignas de profissionais de alto nível, talvez o Brasil ganhe mais algum atleta revelação logo logo!

Olhando as médias das melhores parciais por categoria, podemos ver que os melhores nadadores masculinos estão na faixa etária M35-39, os melhores ciclistas são uma categoria acima, entre 40-44 anos. E os melhores corredores são atletas mais novos, da categoria 25-29 anos.

Já no feminino, temos um empate na média da melhor parcial de natação em duas categorias F30-34 e 40-44, no ciclismo as melhores parciais ficam com as atletas mais novas, na categoria 25-29 anos. Na corrida, a categoria 30-34 anos volta a se sobressair.

Na tabela abaixo temos as médias gerais das categorias, sinalizando quais as categorias que se sobressaem em cada modalidade.

O masculino na natação, as melhores parciais estão empatadas nas categorias de 25-29, 30-34 e 35-39 anos. No ciclismo o empate aconteceu entre 30-34 anos e 35-39. A categoria que se destacou mais uma vez na corrida foi a 25-29 anos.

No feminino podemos ver que as faixas etárias mais jovens estão com todo o gás! As melhores categorias na natação e no ciclismo foram a 18-24 anos e na corrida, 25-29 anos.

Nosso último tempo analisado é o de transição, que apesar de muitos atletas só se preocuparem no dia da competição, pode ser nesse momento tão simples que você pode ganhar precisos minutos na próxima vez.

Para uma distância de Ironman, uma transição na casa dos 5 minutos pode ser considerado um tempo excelente e suficiente para que tudo seja feito antes de sair para encarar o restante da prova.

Comparando com o restante da prova, o tempo gasto para diminuir seu tempo de transição é muito menor do que o tempo necessário de dedicação para tirar suados minutos das outras 3 modalidades.

Independente do tempo realizado durante a prova, todos os atletas que realizam um Ironman merecem os parabéns e apesar de sermos todos fissurados por números, devemos sempre nos lembrar do por quê praticamos o esporte que praticamos, e ajudar sempre nosso esporte a ascender no meio esportivo.

 

Qualquer dúvida e sugestão para as próximas análises de tempo, contate-nos através do Facebook ou comentando abaixo.

*Todos os dados foram retirados do site oficial do Ironman que fornece os resultados de todos os atletas, incluindo atletas DQ, DNF e DNS.



2 thoughts on “Análise de Tempos – Ironman Florianópolis 2017

  1. Paulo Salazar Navarro

    Parabéns e obrigado pela detalhada análise. Gostaria de sugerir a análise separada dos atletas amadores que um dia já foram profissionais, ou seja: ex- profissionais.
    Temos muitos “amadores” de renome olímpico e histórias diferenciadas em provas de triatlo, de diversas distâncias.

    responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *