Search
segunda-feira 18 dezembro 2017
  • :
  • :

Ironman Florianópolis – Como é completar um Ironman?

Um sonho para muitos é um desafio para poucos, completar um Ironman é uma sensação única!

Cada atleta tem um motivo pessoal que o faz encarar o desafio de um Ironman, cada atleta trás consigo também uma “bagagem” que o motivará a treinar e crescer fisicamente e psicologicamente para se tornar um verdadeiro(a) homem ou mulher de ferro.

Após a briga inicial pela inscrição, os atletas passaram meses se preparando, encarando noites mal dormidas, músculos cansados, corpo machucado, respondendo centenas de perguntas  e comentários imbecis de amigos e tudo mais para chegar no final de semana da prova o mais preparados possível.

No momento do embarque para um Ironman, o corpo já está preparado, mas o sentimento que se encara no fim de semana da prova não há igual!

No taxi de casa até o aeroporto tudo está bem, mas ao chegar no saguão de embarque e ver um número grande de mala-bikes, camisetas de finishers,  e todo aquele perfil típico de triatleta usando garmin e meia de compressão já dá um friozinho da barriga.

 

 

A Expo

Você vai perceber que a competição não começa na buzina de domingo de manhã, mas sim na hora de retirar o kit na Expo.

Nesse momento os atletas mais experientes já intimidam os mais novatos com tatuagens, jaquetas e tudo mais que remeta a provas passadas sendo trajadas como conquistas de guerra. Os atletas com melhores equipamentos, circulam pra lá e pra cá com suas superbikes e rodas super aerodinâmicas e super leves (mesmo que muitas vezes nem saibam trocar um pneu, ou estejam bem acima do peso).

Mas vale de tudo, de encaradas à sorrisos incentivadores, você realmente encontra todo tipo de gente na Expo.

O processo padrão pra todo estreante como eu um dia fui, é:  

1- Estacionar longe pra caramba

2-Tirar fotos no M

3-Retirar o kit

4- Ficar olhando os atletas pensando “que que eu vim fazer aqui ???”

5- Admirar os produtos dos expositores, e fazer careta ao ver os preços

 

Se você tiver sorte pode ainda tietar os profissionais e receber dicas deles. Uma das coisas legais desse esporte é que na grande maioria dos casos os atletas são super gente fina e dão muita atenção aos fãs.

O ideal é não ficar muito preso a Expo, e ir resolver suas coisas pra prova, como por exemplo testar o seu material.

Em 2015 quando fiz o meu primeiro Ironman (e único até o momento), eu cheguei na sexta-feira cedo e segui recomendações de fazer apenas o necessário na Expo, voltar para o hotel, e já testar o equipamento no mesmo dia para caso tenha problemas, resolver com antecedência. Foi a melhor coisa, pois na sexta fui rodar com a bike e percebi que na viagem os câmbios desregularam, e os mecânicos presentes na Expo puderam resolver sem problemas!

 

Na sexta-feira, ao final da tarde, já estava no hotel, tranquilo, com o equipamento todo regulado e tudo pronto. Fiz 20 minutos de pedal no total só para testar o equipamento, 20 minutos de trote bem leve para esticar as pernas e deixei para nadar um pouco sem o wetsuit no sábado cedo apenas para sentir a água e conhecer a praia.

Enquanto descansava em Canasvieiras, mantendo a cabeça longe da prova pra diminuir a tensão, via pela janela atletas fazendo treinos mesmo. Eu particularmente acho que isso está muito mais ligado a ansiedade, por que nada que seja feito 2 dias antes da prova vai te ajudar, na verdade só aumenta o risco de bem nos dias que antecedem a prova algo acontecer com você ou seu equipamento – como já vi acidentes acontecendo exatamente nesse cenário. Eu só tive que me preocupar em colocar minhas coisas nas sacolas da prova mesmo.

Bike Check-In

No sábado a adrenalina aumenta, mas é importante manter a cabeça tranquila e estar seguro de todo o treino realizado (se de fato foi realizado, né!?).

Ao andar na Expo você vai perceber muitos atletas buscando desesperados ferramentas de reparo, pneus, câmaras, e tudo mais que não foi revisado ou trocado anteriormente e deu problema 4h antes do Bike Check-In, quem mais tem que ter paciência são os mecânicos que são pressionados a cada minuto. Por isso é importante levar ferramentas e tudo que sua bike possa precisar caso quebre ou perca, gancheira, espaçador, parafusos, etc.

O Bike Check-In é dividido de acordo com o número de peito, e é um momento para perceber que você não é o único que está se sentindo “despreparado”, na fila eu conversei com um cara que só tinha feito um Triathlon Olimpico e treinado 3 meses pro Ironman, então sempre vai haver diferentes níveis de experiencia entre os atletas.

Depois de tudo posicionado, basta voltar para o hotel, procurar um lugar confiável para jantar e (tentar) dormir…

   

Manhã de prova

Quem você está tentando enganar, não dormiu praticamente nada por causa da ansiedade! Mas fique tranquilo, por que aposto que o Kienle e o Frodeno não dormem bem antes de Kona também.

De manhã vai rolar todo o ritual típico pré-prova de se trocar, ir no banheiro, tomar café, ir no banheiro de novo e ir para a o local da prova (ainda apertado pra ir no banheiro de novo)

O momento de dar o último Check-Up na bike é tenso, acontece toda aquela correria de pneu de cara que fura, escambo de bomba, filas imensas na tenda da mecânica da prova, então o recomendado é levar sua própria bomba, sua hidratação e suplementação, deixar a marcha “no jeito” e sair da T1 o quanto antes.

Me lembro que o momento que colocava o wetsuit, até brincava que me sentia um cavaleiro colocando a armadura para a batalha. Após colocar o wetsuit, é necessário caminhar cerca de 500m até o local da largada (lembre-se de levar o chinelo!), e nesse momento o corpo já está em estado máximo de ansiedade, e a sensação é que você realmente está indo pra guerra, uma guerra que será travada na sua mente e no seu corpo, durante todo o dia.

 

 

Momentos antes de largar

Quando todos se despedem dos familiares e vão para o curral de largada, você percebe que todos aqueles olhares valentes da Expo sumiram e todos estão no mesmo nível de nervosismo. Todos os atletas são iguais perante a buzina da largada.

O momento é lindo e excitante, com helicóptero passando, megafone, milhares de pessoas torcendo, tudo isso com o nascer do sol no horizonte.

Do momento de entrar no “curral de largada”, aguardar a largada profissional e depois as largadas em ondas dos amadores (no meu ano ainda era largada única), leva uns 20 minutos, ou seja, você vai fazer muito xixi no wetsuit até largar.

A largada é incrível, abaixo o vídeo da largada de 2015, o ano que competi.

 

Mas a sensação de quem vai competir é que a largada é assim, igual este Ironman Terra Média:

O trajeto da natação

O trajeto da natação é em formato de “M”, dividido em uma primeira perna de 2200m até retornar à areia, onde é realizada uma passagem por um gradeado com hidratação e uma corridinha de 50m e depois mais uma perna de aproximadamente 1600m até retornar para a T1.

No trajeto até a primeira boia são aproximadamente 1000m e é uma euforia só! Todos atletas super empolgados se debatendo e elevando os batimentos nas alturas, nesse momento é importante nadar prestando atenção em se proteger.

O retorno até a praia ainda tem um grande fluxo de atletas embolados, mas já é possível nadar com mais tranquilidade.

Na passagem pela areia já é possível perceber quem treinou natação, e quem fez só simulado de pedal/corrida com a assessoria e chega na metade da natação morrendo. Já postamos a respeito da importância da natação num Ironman, e a falta de treino pode te deixar mais distante de se tornar um Finisher, nessa hora quem tem dificuldade em nadar e preferiu ao invés de trabalhar a dificuldade, evitá-la, vai sentir! Pelo menos é possível que os familiares e amigos fiquem nesse retorno pra motivar e animar quem passa.

Depois da passagem na areia, o caminho é tranquilo e com boa visibilidade, possibilitando uma boa navegação.

T1

A T1 passa por um longo tablado pelo P12, a balada local, e no caminho jhá uma grande torcida.

Sempre que saímos da água o corpo ainda está um pouco desorientado, e uma dica é tentar diferenciar sua sacola das demais para facilitar a localização, uma fita colorida já ajuda bastante na busca.

Depois de se trocar na tenda, o ciclismo começa.

O Ciclismo

A saída do ciclismo é numa rua de paralelepípedos e exige atenção, é mais um momento para se “encaixar” na bike do que tentar ganhar posição.

O trajeto de ciclismo é composto por duas voltas de 90km, e o percurso imagino que todos já estão cansado de visualizar no site oficial da prova, por isso decidi colocar a altimetria do trajeto.

A altimetria na verdade é basicamente plana e contem apenas um local com subidas, que será encarado 4 vezes ao longo do percurso completo, ou seja 1 vez na ida e 1 no retorno de cada volta. Seriam basicamente próximos dos km: 10, 59, 98 e 148 (a imagem abaixo é a altimetria da primeira volta apenas).

São duas subidas de 600m com aprox. 25m de ganho de elevação e uma mais longa com 1200m e ganho de elevação de 50m.

 

O trajeto tem asfalto de boa qualidade e a maior dificuldade é o vento lateral que bate principalmente na avenida beira mar, e intensifica na segunda volta. O ideal é conter um pouco a ansiedade na primeira volta e deixar pra fazer mais força na segunda, ou pelo menos tentar sobreviver o melhor que puder!

                           

Um assunto muito debatido sobre as provas de Ironman e 70.3 no Brasil e principalmente no no Ironman Florianópolis é a questão do vácuo.

Tem muito vácuo sim, os amadores e profissionais pegam, formam pelotões e fazem excelentes parciais. Uma vergonha para o esporte e uma clara falta de respeito com os atletas que jogam limpo, e mostra também a falta de controle da organização. Esse vídeo abaixo é de 2013 com um compilado de vídeos de pelotões, mas esse “problema” acontece há muito tempo e com certeza vai continuar ocorrendo.

 

Até o Km 140 a impressão é que as coisas passam rápido, eu mesmo não tenho muitas memórias dos primeiros 3/4 do ciclismo, mas os últimos 30km são os mais difíceis na bike, o cansaço já bate e o psicológico começa a empurrar na mesma proporção que as pernas. A impressão é que demora mais pra pedalar os últimos 30km do que fazer os primeiros 90km.

T2

Esse momento é uma benção! Você dá graças a Deus que saiu da bike e colocou os pés no chão (indiferente se fez o pedal em 5h ou 7h).

O melhor é se preparar pra correr confortável e se atentar pra não deixar nada pra trás como suplementação, remédio, santinho, ou o que for te levar até o fim da maratona.

Avenida Búzios

A melhor sensação da prova é passar pela Avenida Búzios, e ver além de seus familiares e amigos, outras 5 mil pessoas torcendo pelos atletas! Cada familiar acompanhou o seu atleta por longos meses de preparação e sabe o quão difícil é estar ali, por isso ao ver qualquer atleta passando a vibração é a mesma e é o que dá energias para todos seguirem para a Maratona.

No total a maratona passa 4 vezes pelas Avenida Búzios e cada passagem trás novas energias, me lembro de muitas pessoas verem meu nome no número de peito e começarem a gritar me incentivando, crianças querendo dar High-Fives, em um dos (muitos) momentos que andei um senhorzinho veio do meu lado e falou que iria trotar comigo até eu voltar a correr. O que faz um atleta completar a maratona do Ironman não é o músculo, mas sim a motivação. Não são as pernas, e sim a cabeça.

 

O Trajeto 

A Maratona é composta por 3 voltas, sendo a primeira mais longa com 21km indo até Canasvieiras  e as duas posteriores mais curtas apenas dentro de Jurerê.

Um ponto crítico da maratona é no KM 3,7 até o 5,5 e do KM 10,2 ao 11,8 onde está a temida subida para Canasvieiras (e o retorno posteriormente).

São duas subidas seguidas íngrimes e que quebram qualquer um! Até mesmo profissionais caminham nela, mas cabe a cada atleta decidir sua estratégia. Eu, uma galera e o Marino Vanhoenacker caminhamos nessa subida, a diferença é que o Marino terminou a prova quando eu estava começando a maratona.

 

Abaixo segue a altimetria da primeira volta da Maratona, o resto é plano!

 

 

O Anoitecer

Claro que se você é um atleta de ponta que faz a prova abaixo de 10h você vai terminar a prova ainda durante o dia, mas como a grande maioria dos atletas não tem o mesmo resultado, vamos correndo noite a dentro.

Com o anoitecer acontecem duas coisas, a temperatura abaixa e o uso de manguito é uma boa recomendação, começam a serem servidas sopas nos pontos de hidratação para manter os atletas aquecidos e alimentados – a essa altura você não aguenta mais ver gel de carboidrato.

Fora isso o psicológico pesa bastante, pelo fato de você perceber que largou de manhã, e já é de noite e você está ainda lá competindo, o cansaço de um dia inteiro pesa muito e nessa hora a motivação é o que te empurrará até o final e você começa a pedir energia de todo lado e reza para todas as religiões, não existe ateu no KM 30 da maratona de um Ironman!

 

 

A Chegada

Ao terminar a última volta, e percorrer os últimos 700m até a entrada para o pórtico o corpo sofre um choque de adrenalina e você percebe que conseguiu! Surgem forças e a emoção bate mais forte… se prepare por que é exatamente ai que caem ciscos nos olhos e fazem você parecer que está emocionado e fará da sua foto da chegada, o registro de você chorando livremente.

Quando entrei no pórtico avistei minha namorada e minha mãe na arquibancada torcendo por mim junto com tantas outras pessoas que vibram para os seus atletas, e claro que eu já estava chorando de emoção a pelo menos 500m. Passar pela linha de chegada do seu primeiro Ironman é como se você tivesse entrando no céu!

Medalhas e abraços

Ao cruzar a linha de chegada, depois de dar um berro de alegria, já vem um berro de dor e os médicos estão lá pra te ajudar com mantas térmicas, massagens, remédios, desfribilador, e o que mais for necessário.

Há também umas coisas pra comer, mas eu só lembro que não lembro de nada, mas reza a lenda que tem um jantar de massas… Eu me enrolei num papel alumínio gigante para ficar quente, ganhei minha medalha e já encontrei minha família para beijos e abraços! Todos sujos e molhados de lagrimas, mas isso já não importava!

As emoções são difíceis de entender nesse momento por que o corpo está tão debilitado que você primeiro se preocupa em sobreviver, e depois em ficar feliz.

 

Ao terminar a prova você precisa guardar energias ainda para ir na Expo comprar a jaqueta de finisher, e para isso é necessário a medalha e o número de peito pra comprovar que você é de fato finisher. Ela vai custar uns 400 reais, mas nessa hora você já nem liga mais, só fui saber o valor depois, na fatura do cartão.

Lembra quando você falava nos treinos que depois do Iron ia comer até levar a pizzaria à falência? Eu falei isso, e sabe o que aconteceu?  Cheguei todo sujo na pizzaria, sentei, comi 1 pedaço, e apaguei! Tivemos que levar a pizza para viagem, e me arrastaram até o hotel.

Chegando no quarto, o banho você já toma dormindo, e só percebe que deitou na cama na manhã seguinte.

Na manhã seguinte, você acorda como se fosse a pessoa mais forte do mundo, parece que realmente você se transformou em um Ironman e agora é capaz de enfrentar qualquer desafio!

É hora de ir na Expo (sem pressa, mancando e bem lentamente) para sentir mais uma vez o clima e se sentir orgulhoso do feito, tirar mais uma foto no “M”, mas dessa vez com a medalha, e conversar com a família como realmente foi a prova! Após todo esse ritual, suas próximas preocupações serão em marcar horário no tatuador para fazer a famosa – e merecida – tatuagem.

 

 




One thought on “Ironman Florianópolis – Como é completar um Ironman?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *