Search
segunda-feira 18 dezembro 2017
  • :
  • :

O caminho de ferro – Como é treinar para o Ironman

Essa será uma série de 3 textos em que falaremos sobre o treinamento para o Ironman, desde o início até os estágios finais de treinamento.

Com a popularização do triathlon e o crescimento constante do número de inscritos em provas de distância Ironman (3800m de natação, 180km de ciclismo e 42km de corrida), o que não falta na internet e nas redes sociais são os relatos sobre como foi se preparar para a prova.

Mas se filtrarmos dentre todos esses textos o que de fato é um conteúdo significativo para outros atletas e o que é apenas vivência de quem conta a história, encontraremos poucos relatos que realmente podem ser utéis para o treinamento e preparação de outro atleta (e leitor), que também está treinando para a distância, ou está pensando em treinar, ou é apenas mais um curioso que deseja entender melhor o que leva uma pessoa até a linha de largada (e chegada) de uma prova como essa.

Antes da estrada

Recomendo a todos que almejam um Ironman, ou qualquer prova de longa duração, a ir com calma. Começar com distâncias menores, trabalhar as modalidades separadamente em competições, lapidar o corpo para altas cargas de treino leva tempo.

 

Regra número 1: paciência – você vai precisar dela em muitos momentos enquanto percorre esse caminho.

 

Sabemos de casos de muitos atletas que se inscrevem para um Ironman sem nem ter realizado a meia distância ainda. Apesar de muitos verem como um símbolo de superação (Já diria o slogan – Anything is possible), esse susto no corpo pode não ser a melhor das ideias para a sua saúde a longo prazo se você pretende continuar no esporte.

Na verdade participar de um meio Ironman vai ajudar o atleta a descobrir e ter certeza de que se é esse o caminho a trilhar. Sejamos honestos, hoje vivemos numa era de ego compartilhado.

Cada vez mais pessoas sentem a pressão dos olhos de outras pessoas, sendo observadas por meio de redes sociais, e em 100% dos casos, não conhecemos nem metade dessas pessoas que nos observam, mas mesmo assim baseamos nossas decisões em seus julgamentos.

Portanto se você não gosta de longas distâncias, isso não é um problema, não fique preocupado com o que as outras pessoas vão dizer, atletas e triatletas não são definidos pela distância e glamour de suas competições.

Vi ao longo dos anos participando e observando o triathlon, que muitas pessoas estão totalmente miseráveis fazendo aquilo, elas não estão curtindo o momento, estão apenas “tirando isso da frente”, para assim serem de alguma maneira respeitados no meio do esporte. E assim que completam a prova, nunca mais voltam para a distância ou para as três modalidades.

 

Regra número 2 – Não deixe com que o marketing bem empregado da marca Ironman te faça menor por você não querer aquilo para sua vida.

 

Por que estou começando um texto que deveria ser motivacional te desmotivando? Eu não estou! Se você quer fazer isso por você e não para expor nas redes sociais ou almejar um reconhecimento entre atletas, então nada do que eu disse realmente terá afetado a sua decisão.

O início do caminho

Então estamos aqui, você acabou de apertar o botão “confirmar inscrição” e seu cartão de crédito foi aceito. Você está inscrito para o seu primeiro Ironman. Parabéns, você tem permissão para chorar um pouquinho e fazer uma dancinha vergonhosa pela casa.

 

 

Curta o momento. Esqueça o mundo exterior um pouco, você terá longos e longos meses para que todos saibam da sua decisão, e depois mais longos e longos meses compartilhando fotos suadas e sofridas após longas horas em cima da bicicleta, dentro da piscina ou após uma sessão entediante de 3h na esteira da academia.

 

Regra número 3 – organização, sem ela você não será capaz de conciliar suas horas de treino, família, trabalho, estudos e o que sobrar da sua vida social.

 

Se você tem um parceiro, sendo ele(a) atleta ou não, você vai precisar dele mais do que nunca, e isso será um grande teste no relacionamento de vocês. Serão longos períodos de ausência, durante e após seus treinos, já que não vai sobrar muito de você para qualquer interação com o mundo lá fora além do entregador da pizzaria.

Quando você tem alguém ao seu lado que também pratica o mesmo esporte que você, você lidará com todo o atribulado caminho até o Ironman com mais facilidade. Se você não tem essa sorte, introduza a pessoa que você ama ao esporte, mostre que você precisa do apoio dela, e eu digo fisicamente.

Fazer com que a pessoa participe do seu longo pedal no domingo de manhã, como o carro de apoio, que fornecerá água, alimento, abrigo e segurança, fará a pessoa se sentir bem-vinda nesse mundo estranho da lycra e do suor. Mudará de um desafio só seu para um desafio de ambos, e o treinamento para o Ironman se transformará de uma ameaça no relacionamento, para um forte laço de companheirismo e segurança.

Aquele passeio no parque, pode virar o seu longão de corrida, enquanto seu parceiro(a) pedala ao seu lado confortávelmente, te fornecendo água, companhia e conversa durante as horas que você terá pela frente.

Mas saiba que esse pode ser um caminho sem volta, vendo o esporte de tão perto é quase inevitável que um mix de curiosidade e anseio não virem também uma futura inscrição para a mesma prova.

As pedras no meio do caminho

Respeite seu corpo, mas saiba que ele não gosta do que você está fazendo com ele. As articulações e ossos do corpo humano demoram cerca de 3 anos para se acostumar com o impacto da corrida, portanto se você não é alguém que já vem de longos anos de corrida e esporte, ter um fisioterapeuta especializado em esporte pode ser um dos seus maiores aliados para os meses que virão.

 

Porém, a ansiedade é o maior inimigo de um atleta, as vezes a vida real entra no nosso caminho e precisamos pular treinos, e resolvemos que tudo bem juntar essa sessão de treino com outra no dia seguinte e fazer tudo de uma vez.

Pare! Se você tem um treinador, fale com ele, certamente ele irá te acalmar e falará para você não fazer isso. Se esse quadro de perder treinos está sendo recorrente, avise seu treinador, ele adaptará suas horas de treino na semana para algo mais perto da sua realidade. Evitando não que você fique destreinado, mas evitando que sua mente ache que você não está treinando suficiente.

Além das lesões e da ansiedade, o que mais podemos contabilizar de possíveis problemas a caminho do Ironman? Cansaço e desanimo.

Lide com o cansaço como você lidou a vida toda: deite e durma. Não existe mágica, o que fazemos com nosso corpo nos leva ao extremo, precisamos sim ignorar aquela série na piscina e trocá-la por uma boa noite de sono.

 

Regra número 4 – Se estiver em pé, sente-se, se estiver sentado, deite-se, se estiver deitado, durma.

 

O desanimo vai vir, mais ou menos quando as dúvidas e questionamentos vierem. A data exata eu não sei, varia de pessoa para pessoa. A resposta é buscar motivação, em livros, filmes ou curtos vídeos no YouTube (os meus favoritos são os das chegadas impossíveis e improváveis).

Externalize seus sentimentos, coloque suas dúvidas para fora, fale com alguém de confiança, um ente querido, seu treinador, seu parceiro. Para quem nos ama, falar que somos capazes de tudo sai tão verdadeiro que é um clichê que funciona muito bem para essas situações.

Sabemos que a periodização do treinamento é a chave para evitar o overtraining, mas como é chegar no pico do treinamento, lidando com os últimos ajustes nas semanas que precedem a prova? No próximo post falaremos mais sobre isso!




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *